ajuda por nada

A jovem mulher saiu do Taxi. Um bebé de poucos meses ao colo, a cara cansada de quem descansa demasiado pouco há muito tempo. O automóvel arrancou. Ela olhou para a mala e angustiada, correu atrás gesticulando. O Taxi continuou o seu caminho, parando cem metros mais adiante por causa do trânsito.

Do vidro grande do meu carro vi o cansaço redobrado, o desalento, e não resisti a parar.

– Precisa de ajuda?

– O taxista arrancou levando a minha carteira do dinheiro…

– Quer que a leve e conseguimos apanhá-lo?

Uma certa desconfiança surgiu no olhar dela.

– Não, não, deixe estar, tenho aqui o número… e a minha bebé já está muito atrasada para a creche.

– Tem a certeza? Não me custa nada e o Taxi está mesmo ali.

– Não, não, deixe estar, eu ligo.

As pessoas não estão habituadas a terem ajuda por nada. É triste mas é assim. Era bom que mudasse. Mas enquanto não muda, eu vou continuar a fazê-lo porque pelo menos eu, sinto-me bem.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s