nostalgias de fim de ano I

Todos os anos, nesta altura, senta-se no passeio e observa. Ela gosta de ver sem dizer nada, os poros das sensações transformando-se em esponjas diminutas absolutamente poderosas.
A calçada está suja como habitualmente, as pessoas também são as mesmas, ano após ano, que tristeza, pensa. A mulher repara nas posturas, na graduação do brilho dos olhos, nas formas de caminhar. A maioria carrega os anos em vez de os ter vivido. Essa não era uma novidade. Talvez ela se sente ali, todos os Dezembros, esperando uma diferença; ou talvez seja algo perfeitamente egoísta e na realidade ela veja na ausência de mudança o espelho de si mesma que um dia esteve bem próximo e que nunca mais quer ver. Hoje sabe que não está ao seu alcance fazer o que quer que seja pela mudança de outrem, ter essa expectativa ou sequer ajudar; ela não tem esse direito, ninguém tem. Apenas a sua lhe é acessível, basta retirar o medo da equação.
A mulher ergue-se do passeio e sacode o pó de um ano que em breve será passado. As partículas espalham-se pelo ar e depois pousam dentro da caixa de veludo que ela entretanto abriu. A mulher deixa que algumas voem para longe enquanto outras ficam firmemente agarradas ao tecido. Finalmente fecha a caixa e fixa mentalmente o local onde deseja colocá-la. O passado não se enterra, digere-se.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s