no mar, de novo

A mulher dormiu a noite toda numa espécie de mar escuro onde não cabiam sonhos. Pela primeira vez em algum tempo a fantasia não a enfeitiçara; ela abandonara-se ao sono procurando refazer estruturas, renovar outras, reciclar o que era verdade, deitar fora o que era mera ilusão ou mentira. Tinha que se fortalecer. A grande mudança esperava-a e era ela, só ela, a arquitecta, como alguém lhe dissera uma vez.
Antes de acordar completamente, a mulher olhou o mar escuro em baixo e percebeu que o fundo já estava mais longe. A ascensão começara. Faltava pouco para chegar à luz.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s