dias de boxe

Na verdade, a mulher detestava desabafar, queixar-se, dar parte de fraca. Era um defeito. Ou uma qualidade, não sabia e pouco importava; o que era certo era procurar não o fazer. Haveria sempre alguém mais infeliz ou com um problema maior neste mundo ou noutro qualquer. 
Contudo, havia dias em que as comportas dela não aguentavam mais. Eram raros mas asseguravam a resiliência do resto do ano. Nesses dias, ela precisava. Precisava de bradar contra o mundo inteiro, sentir-se miserável, deitar todas as coisas cá para fora, incluindo as lágrimas. Depois disso, da torrente, tudo regressaria ao normal, ao empurrar da vida com a barriga, com as mãos, com a cabeça e com os pés, se necessário fosse. 
Apenas nesses dias, ela perdia o Norte e o chão, e por isso precisava de alguém que a segurasse com carinho. Porque nada daquela revolução era contra mais ninguém mas apenas contra si. Naqueles momentos ela transformava-se no seu próprio saco de boxe, precisando somente que lhe tirassem as luvas com gentileza e ajudassem a respirar fundo.
Ao final da noite, a mulher desapertou as luvas e pendurou o saco virtual. É que tristeza é realmente uma coisa chata, dá trabalho, incomoda, e não agrada a ninguém.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s