incurável

Entre cabos, luzes, câmaras, filmagens de planos, a mulher trabalhava no computador, dando atenção a demasiados assuntos de cada vez, resolvendo imprevistos, recebendo e devolvendo alguma pressão. As horas de sono tinham sido poucas mas, apesar de tudo, no meio do bom ambiente e da mudança saudável de espaço, a mulher sentia-se bem. O prazer da quebra de rotina fazia parte do seu DNA. Mais do que um sintoma, era uma característica incurável.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s