formas de estar

As duas mulheres entraram no edifício. Na recepção, não precisaram de dizer nada uma à outra: os tectos baixos, as paredes forradas de madeira escura, a iluminação artificial, fizeram as vezes das palavras. As mulheres seguiram o homem gordo, a mais crescida como se tomada de uma velocidade súbita e fechando a cara, a outra entre uma vontade irreprimível de rir e um sufoco que se avolumava na garganta e no peito. Por fim saíram á rua, dando graças ao sol, ao oxigénio e a uma vida que existia fora daquelas paredes. Uma pequena dor de cabeça tinha contudo vingado. Na verdade era normal, disse uma delas, tinham por momentos sentido a sensação de estar fechadas num caixão, em vida. As duas concordaram que muitas empresas eram mesmo assim. E essa não era em definitivo, a forma de estar de nenhuma das duas: sabiam que no momento de partir preferiam ser lançadas em cinzas ao vento ou ao mar.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s