virada do avesso

A cabeça girou para sítios impensáveis. As pernas rodaram e o sacro estalou como se fosse separar-se do corpo e ganhar vôo. A coluna foi mexida, remexida, ajeitada, a base do crâneo massajada, as cervicais ganhando calmantes na forma de uns dedos firmes e experientes.
Quando tudo acabou a mulher fez a pergunta:

– Afinal, o que tenho?

A osteopata sorriu e disse:

– Nada de patológico. Demasiado stress e um sacro fora de lugar. Pode fazer tudo, mas comece apenas daqui a dois dias. Comece por correr devagarinho, corra.

Afinal podia fazer tudo. Podia correr, correr para se livrar de outras corridas da vida que a punham mais torta, lhe escangalhavam a cervical, a cabeça, o humor e a sua capacidade de perder o medo. Sentindo-se mais forte, pensou nos seus ténis, estacionados no armário há muitos meses. Aquilo que nos torna mais forte está sempre ao nosso lado, só é necessário estar atentos … ou alguém que nos vire do avesso e nos diga para correr…devagarinho, concluiu.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s