as palavras

As palavras andavam a persegui-la. Palavras de ordem, palavras com significados concretos para a sua vida de fora e de dentro, arrumadas em frases que a abanavam pela pertinência. Como se a escolhessem de forma privilegiada ou como se ela tivesse agora a capacidade para reparar mais nelas, as palavras reuniam-se em sentidos que a obrigavam a reflectir todos os dias, sempre a uma velocidade estonteante, como se ela as tivesse de compreender e integrar em simultâneo em momentos milimétricos cujo efeito teria de perdurar, transformando-se em orientações de acção. Pareciam sair dos dicionários da existência, organizando-se numa espécie de rezas ou mantras que deveria tornar conscientes, conservar para si e instrumentalizar, tornar reais. 
Olhou para as frases do dia e acrescentou mais uma promessa à sua lista: nunca mas nunca mais voltaria a arranjar desculpas para não viver o que queria viver, não realizar o que desejava realizar, não ser a mulher que na essência era.

(obrigada Pat por esta imagem)
Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s