a sensação estranha

Depois do telefonema tinha ficado com aquela sensação estranha. Aquela que lhe dizia duas coisas muito simples
1. Não te apetece nada fazer isto, estás a dizer que sim porque achas que precisas disto
2. Isto é tudo treta deste gajo, existem outras intenções por detrás e tu sabes bem que sim
Ficou com aquela coisa a incomodar-lhe a barriga o fim de semana todo. Tomou então a decisão de finalmente dizer não por conveniência. Não a do costume mas a própria. Por sua própria conveniência ou seja, para seu próprio bem, ia dizer não.
Fez o telefonema e, em breves palavras, disse. A mulher sorria ao desligar o telefone: fora fácil respeitar a sua vontade e contrariar os vícios do estabelecido pela Regra Geral dos Medos do Mundo, muito mais fácil do que supusera. A sensação estranha tinha-se transformado numa sensação boa. Ambas tinham o mesmo nome: intuição.
Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s