As meias do meu pai

O meu pai é provavelmente o homem mais inteligente que eu conheço. Estou a falar de inteligência pura, não fabricada, daquelas mesmo mesmo avassaladoras. Não sei de mais ninguém que consiga absorver tanta informação ao mesmo tempo, que a consiga perceber nas suas mais variadas vertentes e que seja capaz de falar de assuntos complicados como se fossem brincadeira de crianças. Outra coisa é ser capaz de andar à velocidade dele; isso é muito mais difícil porque aí depende de nós, de quem o está a ouvir. Ufa, não é pêra doce, não. Ainda por cima porque sempre precisou de dormir pouco e por isso não é invulgar ver-nos a todos ao pequeno almoço com cara estremunhada (e algumas vezes aterrorizada), de boca aberta, a ouvi-lo desenrolar tudo aquilo que o seu cérebro devorou, integrou, mastigou e formou opinião (!) nas escassas horas que separaram o acordar dele do nosso.
Contudo, o meu pai é muito mais que um ser invulgarmente dotado do tão famoso e discutível QI. Se fosse só isso não seria tão original quanto é; provavelmente seria o verdadeiro chato e isso ele definitivamente não é. 
Deve ter sido um dos primeiros vegetariano-macrobióticos que nos anos 70 tinham a coragem de comer arroz integral ao almoço, numa casa cheia de filhos em idade de sentido crítico, com a assistência da super empregada de toda a vida, Emília, mulher-do-Norte-gastronómico. 
No Verão dos meus 14 anos descobriu a “frescura” das túnicas marroquinas e das sandálias, pelo que era frequente vê-lo por Portimão na sua longa vestimenta azul céu, bordada a branco, de pés de fora. 
Na altura, eu e os meus irmãos morríamos de vergonha com muitas destas excentricidades. Hoje, confesso que sorrio de orgulho, porque tenho a sorte de ter tido e continuar a ter um dos pais mais diferentes do mundo. É certo que também tinha um humor que podia variar com a direcção do vento, o que o tornava demasiado imprevisível. É verdade que nunca teve cabeça para o mais prosaico da vida e que sempre que nos levava à escola chegávamos atrasados porque para ele o tempo sempre foi uma coisa relativa. É um facto que fazia as combinações de roupa mais improváveis ou saia de casa com uma meia de cada cor (ou de chinelos). Nada disso é mais importante que a riqueza de matizes que formam a sua personalidade e que nos têm dado tanto ao longo das nossas vidas.

Desculpa lá, pai, se hoje faço uma coisa que detestas: dar-te os parabéns no dia  exacto em que nasceste. Eu sei que preferias que os tivesse dado ontem ou daqui a um mês; mas eu não tenho a liberdade que tu tens e por isso dá-me prazer fazer algumas coisas nas datas certas. É pouco criativo, eu sei, mas olha, apetece-me.

O meu pai, Alberto Quadros, faz hoje 82 anos.
Anda 7 quilómetros todas as manhãs e dia após dia esforça-se por dominar esta coisa moderna chamada computador e internet, para além de muitas outras coisas. É obra.
Anúncios

One thought on “As meias do meu pai

  1. Estava procurando mensagens p/ pais que me inspirassem a escrever uma para o meu e me deparei com seu maravilhoso e tocante texto que muito lembrou o meu pai, não pelas excentricidades que diferem os pais de cada um, mas pelo amor comum que nós, filhos, partilhamos.Parabéns!Aline

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s