Bruma












As copas dos pinheiros desapareceram.Troncos sem cor acompanham o meu caminho. Ao longe, desconheço o fim, a muralha de branco interrompe-o. Abro a janela. O ar. Partículas finas como pequeníssimas agulhas cercam-me. Arrepio. Mais à frente, o rio perdeu-se. O topo da enorme estrutura dissolve-se no cinza como se um bando de corvos audazes tivesse soprado. Milhares de gotas minúsculas conspiram logo abaixo do nível da minha janela, escondendo duendes e fadas a caminho da cidade. Todos riem. Eu também. Adoro Lisboa num dia de nevoeiro a sério.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s